A proposta do parque procurou fugir da má tradição de entregar conjuntos habitacionais sem a urbanização dos espaços públicos ou os equipamentos básicos para a vivência comunitária. Assim, além de playgrounds, pistas para bicicletas e passeios, o conjunto foi dotado de uma creche, doada pelo grupo Accor de hotelaria. Não é um hotel de crianças, mas a creche merece cinco estrelas pela qualidade dos serviços e equipamentos. Completa o conjunto um pequeno centro comercial, que poderá ser explorado pelos próprios comerciantes que antes trabalhavam no interior da favela.

Futuro

Apesar de todos esses ingredientes e do exuberante projeto de paisagismo realizado pelo arquiteto Raul Pereira, paira no ar a dúvida sobre o futuro do empreendimento, especialmente após o resultado das eleições municipais. Teme-se o risco de degradação do conjunto, caso a manutenção do projeto não esteja entre as prioridades da nova gestão. Afinal, a ausência do Estado tem sido o principal indutor para a falência de outros projetos habitacionais, tais como o Projeto Singapura, ou mesmo o do Parque Cecap, em Guarulhos-SP, que tinha ambicioso projeto do arquiteto Villanova Artigas, mas não resistiu ao abandono do poder público. Consultada, a equipe de transição do prefeito José Serra afirmou ainda não ter recebido os dados sobre os projetos habitacionais em curso. A promessa é de avaliar cuidadosamente todas as propostas e dar seguimento àquelas que tenham consistência e sejam sustentáveis.


Sistema construtivo


Na visão dos arquitetos, o sistema construtivo com alvenaria estrutural de blocos de concreto foi a solução mais racional e econômica para o projeto do Parque do Gato. O projeto executivo, elaborado pelo escritório Peabiru, permitiu a construção rápida dos edifícios, com mínima perda de materiais e nenhum retrabalho. Todos os detalhes da montagem de alvenaria estavam previstos em desenho, incluindo os blocos com caixas de eletricidade ou saídas hidráulicas. Teresa Herling observa que um fator fundamental para o sucesso foi o uso de blocos de boa qualidade, fabricados de acordo com as normas técnicas. As paredes estruturais foram feitas com blocos da família 14 x 19 x 39 cm e as divisões internas com blocos de 10 cm de espessura.

" A alvenaria estrutural de blocos de concreto foi a solução mais racional e econômica"





Perspectiva artística do conjunto: parque incorpora equipamentos existentes

Obra: Parque do Gato

Local: São Paulo - SP
Áreas:

Terreno: 140 mil m²

Edifícios: 26,7 mil m²

Creche: 1.039 m²

Centro comercial: 827 m²

Projetos (coordenação) : arquitetos Wagner Germano e Tereza Herling

Projeto residencial

Arquitetura: Peabiru Trabalhos Comunitários e Ambientais (arquitetos Caio Santo Amore, Paulo Toshio Arashiro, André Drummond, Humberto Zanola, Jorge Pauli Niubó, Miriam Lizandra Lima, Vladimir Navazinas; engenheiro Leandro de Oliveira Coelho; estagiários Cláudia Filardo e Maria Cristina Savaia; psicólogo Glauco Henrique Pereira)

Elétrica e hidráulica: KML Engenharia

Estrutura: Ycon Engenharia

Paisagismo: Raul Pereira Arquitetos Associados

Construtora: Erevan
Ano da construção: 2003-2004
 

Revista Prisma - Edição 13